10 vacinas fundamentais para enfrentar a crise

vacina 3Tolerância mínima contra o erro.

Errar é uma coisa tão comum que até já existem desculpas prontas para o erro. “É errando que se aprende” é uma delas. É verdade que o erro ensina, mas por um preço mais alto. Na escola aprendemos com o erro, na prova, à custa de nota mais baixa. E aprendemos também simplesmente fazendo o dever de casa.

É ISSO QUE O MOMENTO DE CRISE EXIGE DAS EMPRESAS: SIMPLESMENTE FAZER O DEVER DE CASA.

Os erros serão reduzidos naturalmente.

Outra desculpa para o erro: “Errar é humano”.  Então tire o ser humano de tarefas que podem ser automatizadas por softwares. Como o próprio ditado conclui, persistir no erro já deixa de ser humano.

O ser humano nasceu com a missão de acertar, não de errar. É válido aprender com os próprios erros apenas quando nos arriscamos, quando tentamos fazer. Nunca em função de rotina. Para esses casos, mais inteligente é aprender com os erros dos outros. Ou com os acertos.

Dica na dica:

REDUZA O CUSTO DO ERRO AGORA.

O erro custa retrabalho, custa insatisfação do cliente, custa tempo, custa stress, custa dinheiro. Mesmo pensando só na parte das tarefas de corte, que tipos de erros você lembra ter cometido?  Erro, mesmo. Deslize (nem estamos falando de um cálculo de otimização melhor).Você já cortou peças em duplicidade, ou seja, peças que já havia cortado antes?

 Pior: já cortou uma chapa inteira por engano? Já abriu uma chapa nova quando havia um retalho que podia ser aproveitado?

Já perdeu concorrência porque calculou mal o custo com a matéria prima? 

A simples padronização de documentos no Corte Certo para cortadores e vendedores, por exemplo, tem evitado erros de interpretação, facilitando a comunicação entre as pessoas envolvidas com os pedidos e corte de peças e economizado tempo.

O Corte Certo, sem dúvida, pode ajudar. E muito. Informe-se. Visite o nosso site.

Sexta-feira dia 6, A VACINA 4.

Clique e veja a vacina anterior "Olhe para o desperdício"